De quem é a culpa afinal?

É minha ou é sua? De quem é a culpa afinal?

O mundo do magic é surpreendente e dentro dele tem muita história para contar, é muita gente, são muitas vidas que interagem entre si para poder usufruir melhor desse joguinho norte-americano. O magic veio parar no Brasil, graças a Deus, e para nossa felicidade cresce cada vez mais. O mundo do magic poderia ser perfeito mas tem sempre gente criticando e não enxergando a verdade. Não se esqueça, vocês estão no Brasil.

Simplesmente um mercado

Na história da humanidade, os produtos e serviços tem os seus respectivos mercados. Por exemplo, o serviço de entretenimento de futebol, o espetáculo, tem o mercado da bola onde gente trabalha para garantir o espetáculo para gente que quer assistir o mesmo. O mundo do magic não é diferente, tem o mercado do magic onde, aqui no Brasil, empresas, profissionais liberais, distribuidores estão nos servindo para garantir a existência desse mundo maravilhoso que está cada vez melhor.

Não são ladrões, são pessoas que estão nos servindo

Eu percebo muito jogador de magic reclamando do preço das cartas e levando a entender que a culpa é do lojista A ou do fornecedor B. Percebo que tem muita gente criticando justamente as pessoas que estão nos servindo porque acreditam que o preço das cartas é injustamente alto. Reclamam do preço da inscrição nos PPTQ´s, reclamam dos preços das cartas, reclamam até do preço da latinha de coca-cola.

A verdade é essa

A culpa dos “preços altos” praticados nas lojas não é dos lojistas e nem muito menos dos dealers. Eles estão na verdade repassando custos e colocando o justo lucro encima para sobreviverem. Na verdade não é magic que é caro, é todo um Brasil que é caro, foi o que eu disse, você está no Brasil. Se comparar o Brasil com uma Inglaterra, somos um país mais pobre, se compararmos com os Estados Unidos, também. O Brasil é um país mais pobre que os US e por isso tudo aqui é caro. A culpa é do conjunto da obra e não do lojista A ou muito menos da Wizards.

A comparação é a vilã que rouba felicidade

Eu disse que o Brasil é um país pobre comparado com Inglaterra ou até mesmo Estados Unidos. Só tirei esses dois países como referência porque os nativos desse país aqui vivem comparando o Brasil com eles e por isso acreditam que o “magic” é caro. Mas lembrem, o mundo do magic aqui no Brasil é um reflexo da economia do país (Se compararmos Brasil e US temos uma economia fraca e portanto tudo vai ser mais caro) e logo o povo vai ter menos poder aquisitivo e isso afeta o magic.

Ame os lojistas

Volto a repetir e vou ser insistente, os lojistas estão salvando esse país, nunca foi tão fácil montar um deck for fun ou serius. E agora que vocês sabem que a culpa do fracasso não é deles, não reclamem e agradeçam, eu joguei magic na década de 90 e não tinha essa estrutura maravilhosa. Mas não esqueça, os lojistas só estão repassando o “custo Brasil” nas cartinhas de magic.

Seja feliz

Fiquem animados pois o mundo do magic está vivo até os dias de hoje conquistando muita gente e ficando cada vez melhor. Eu sei que tem lojista corrupto mas com o tempo eles caem. Forte abraço e não esqueça de compartilhar esse post nas redes sociais.^^

 

Como assim? Rogue elephant hein? Não desista tão fácil

Como assim? Rogue elephant hein? Não desista tão fácil

O magic do passado é inesquecível, época que os players tinham que colocar mochila nas costas e ir a luta pra trocar, vender e comprar cartas até conseguir montar seu deck. As coisas eram bem difíceis mas quando conseguíamos montar nosso deck, vinha aquela sensação de felicidade. Só restava esperar pelo próximo torneio para testar o deck. Lembro que meu primeiro deck competitivo era o stomp e por falar em stomp, veio na minha cabeça o rogue elephant.

Eu me lembro que para ter os meus rogues eu tive que ir a lugares distantes. Embora fosse incomum ou comum, não lembro, tinha gente que possuia no fichário de jogo mas não trocava. Lembro que eu consegui meus 4 rogues pingados de troca em troca percorrendo a cidade em busca deles.

Mas por que tanta luta para conseguir esse elefantes? A resposta não era tão fácil assim em virtude do contexto. Eu me lembro que existia um field vigente na época em que o baralho soberano era um mono blue que tinha que ser derrotado rápido. Quanto mais turnos você dava pra esse mono blue pior ficava sua situação.

Lembro também que o stomp era deck de terceira linha e o rogue, que era bem dizer a alma do deck não era raro. Lembro também que esse mono blue não era barato, tinha pelo menos 16 cartas raras no deck e era a sensação do field.

Mas no duelo entre meu stomp e os mono blues que eu enfrentava, eu sempre levava a melhor. Um rogue de primeiro turno com um rancor vindo no segundo turno era forte demais contra esse mono blue e tudo girava em torno do elephant.

No magic, não é só porque você joga contra o deck mais caro e forte que é sinal de derrota. As vezes o pequeno detalhe de uma cartinha combinada com a outra pode fazer uma enorme diferença contra um deck tido como forte. O mono blue era o high tide e era o deck top de linha e o stomp era barato meio fora meio dentro da curva.

No magic os detalhes de um simples rogue combinado com rancor faziam diferença e portanto não desista de jogar só porque seu deck é barato. As vezes um deck barato pode trazer uma surpresa contra um deck mais arrojado.

Fico por aqui, deixe seu like para ajudar o canal^^