De quem é a culpa afinal?

É minha ou é sua? De quem é a culpa afinal?

O mundo do magic é surpreendente e dentro dele tem muita história para contar, é muita gente, são muitas vidas que interagem entre si para poder usufruir melhor desse joguinho norte-americano. O magic veio parar no Brasil, graças a Deus, e para nossa felicidade cresce cada vez mais. O mundo do magic poderia ser perfeito mas tem sempre gente criticando e não enxergando a verdade. Não se esqueça, vocês estão no Brasil.

Simplesmente um mercado

Na história da humanidade, os produtos e serviços tem os seus respectivos mercados. Por exemplo, o serviço de entretenimento de futebol, o espetáculo, tem o mercado da bola onde gente trabalha para garantir o espetáculo para gente que quer assistir o mesmo. O mundo do magic não é diferente, tem o mercado do magic onde, aqui no Brasil, empresas, profissionais liberais, distribuidores estão nos servindo para garantir a existência desse mundo maravilhoso que está cada vez melhor.

Não são ladrões, são pessoas que estão nos servindo

Eu percebo muito jogador de magic reclamando do preço das cartas e levando a entender que a culpa é do lojista A ou do fornecedor B. Percebo que tem muita gente criticando justamente as pessoas que estão nos servindo porque acreditam que o preço das cartas é injustamente alto. Reclamam do preço da inscrição nos PPTQ´s, reclamam dos preços das cartas, reclamam até do preço da latinha de coca-cola.

A verdade é essa

A culpa dos “preços altos” praticados nas lojas não é dos lojistas e nem muito menos dos dealers. Eles estão na verdade repassando custos e colocando o justo lucro encima para sobreviverem. Na verdade não é magic que é caro, é todo um Brasil que é caro, foi o que eu disse, você está no Brasil. Se comparar o Brasil com uma Inglaterra, somos um país mais pobre, se compararmos com os Estados Unidos, também. O Brasil é um país mais pobre que os US e por isso tudo aqui é caro. A culpa é do conjunto da obra e não do lojista A ou muito menos da Wizards.

A comparação é a vilã que rouba felicidade

Eu disse que o Brasil é um país pobre comparado com Inglaterra ou até mesmo Estados Unidos. Só tirei esses dois países como referência porque os nativos desse país aqui vivem comparando o Brasil com eles e por isso acreditam que o “magic” é caro. Mas lembrem, o mundo do magic aqui no Brasil é um reflexo da economia do país (Se compararmos Brasil e US temos uma economia fraca e portanto tudo vai ser mais caro) e logo o povo vai ter menos poder aquisitivo e isso afeta o magic.

Ame os lojistas

Volto a repetir e vou ser insistente, os lojistas estão salvando esse país, nunca foi tão fácil montar um deck for fun ou serius. E agora que vocês sabem que a culpa do fracasso não é deles, não reclamem e agradeçam, eu joguei magic na década de 90 e não tinha essa estrutura maravilhosa. Mas não esqueça, os lojistas só estão repassando o “custo Brasil” nas cartinhas de magic.

Seja feliz

Fiquem animados pois o mundo do magic está vivo até os dias de hoje conquistando muita gente e ficando cada vez melhor. Eu sei que tem lojista corrupto mas com o tempo eles caem. Forte abraço e não esqueça de compartilhar esse post nas redes sociais.^^

 

A volta de ravnica e sem o bob de novo

O bob não voltou mesmo. 15% perderam a fé

Robert Maher Jr ou mais conhecido como Bob Maher, nascido no final da década de 70, que nos anos 90 resolve entrar para o magic e seguir caminho nesse mundo maravilhosos de duelo de planeswalkers. Começa a jogar torneios grandes. Se aventurando mais no mundo do magic, conquista o Pro Tour Chicago (1999), conquista o Grind Prix Seattle no mesmo ano e assim vai. Levanta mais canecos e eis que merecidamente é campeão da Magic Invitational em 2004, lá em Los Angeles.

Bob Maher

Ficou tão grande no mundo do magic que além de receber um apelido carinhoso de “The Great One” e conquistar vários títulos, entrou para o Hall of Fame, e como tinha conquistado a Magic Invitational, já citado aqui, tem a carta dele, é claro^^. Para quem não sabe, é o Dark Confidant, lançado em Ravnica: City of Guilds em 2005.

Para quem não sabe, essa carta é tão boa que até hoje tem decks modern que usam ela. Bem dizer decks modern com bichos rápidos que usam black vão colocar essa carta. Vale a pena ter o drawback de perder 1 pontinho de vida para ter um draw adicional por turno, só tem que tomar cuidado com burn^^.

O tempo passa e eis que a Wizards volta a lore para Ravnica e, sendo assim, teve um grupinho de players assim como eu ficando felizes porque isso significaria que no mínimo as shock lands iriam voltar. Mas, acendeu um pouquinho de esperança na volta do Bob, fizemos uma fezinha. Me lembro que fiz uma enquete nesse grupo perguntando se acreditavam na volta do bob e cerca de 15% tinham esperanças. (85% não acreditavam)

O tempo foi passando, foi saindo spoiler aos poucos. Saiu spoiler das shock lands (o sonho se concretizou) e foi saindo mais, até que no site http://www.magicspoiler.com parece que saiu todas as cartas e pelo visto o Bob não volta mesmo.

Mas, para quem gosta de jogar de black por causa do efeito tipo arena  phyrexiana (embutido nas criaturas) que essa cor maravilhosa proporciona, foi lançado um knight que através de algum combo faz você dar draw. Midkinght Reaper é o nome da carta. Ou então jogar de pirata e colocar Ruin Raider. O problema é que essas criaturas custam 3 ao invés de 2 como era o Bob e não são tão perfeitas^^.

Voltamos para Ravnica, terra das guildas e suas intrigas. Viva as shock lands que vão ajudar muitos planeswalkers a competir sem depender do maldito azar. E o Bob? Bom, o Bob, quem sabe… Deixa para lá, vamos continuar jogando com ele no modern! xD Afinal de contas, ele é OP mesmo^^.

What? Mana burn (queimadura de mana)? O que é isso?

Lançaram essa carta com mana burn no texto e agora?

O mundo do magic está sempre mudando. Regras novas são criadas e regras antigas são mudadas. Lá estava eu, lendo msgs no grupo de magic do sapp da Taverna eis que um camarada mostra uma carta de Unhinged que traz no seu texto a expressão mana burn ou em português, queimadura de mana. Ele não sabia o que significava e tive que explicar para ele e resolvi fazer esse artigo porque deve ter muito mais gente que não sabe o que é.

mana burn

A queimadura de mana é simplesmente um dano que o planeswalker levava por passar a fase e não utilizar a mana na reserva. Por exemplo, se ele tivesse 2 manas blacks no pool na fase principal e passasse para a fase de combate, ele levava o mana burn. O planeswalker perderia 1 ponto de vida para cada mana no pool não utilizada.

Aí vocês vão me perguntar, mas como isso acontecia, era só não dar tap no land para não enviar para à reserva mana extra? As coisas não eram tão simples assim em determinadas situações como por exemplo quando a mana flare estava em campo.

mana burn

Repare que os lands dão 2 manas com essa mana flare em campo e se o player só tiver uma spell custo ímpar na mão por exemplo, para conjurar, ele teria que levar mana burn. Se fosse um elfo de llanowar por exemplo. Ele daria um tap numa floresta, adicionaria 2 manas verdes no pool e com um mana verde conjuraria o elfo e sobraria uma mana verde no pool. Se ele passasse a fase e fosse na regra antiga, ele levaria mana burn e perderia 1 ponto de vida.

Esse é mais um artigo feito para ajudar a comunidade e quero te agradecer por ler. Se inscreve no meu feed para ter atualizações. Valeu!

Fui vítima de uma verdant force no primeiro turno

Meus tempos de moleque jogando magic eram épicos

Eu me lembro muito bem os meus tempos de moleque jogando magic the gathering lá na minha rua. Era cada coisa doida que rolava que se eu te contar você não acredita. Agora imagine uma verdant force, agora imagine 2 tokenzinhos jogando e um token joga ela em campo no primeiro turno? Isso tudo numa época que não existia entomb, mais precisamente block de tempest e urza.

Mas, como um tokenzinho iria conjurar uma verdant force ou coloca-lá em campo no primeiro turno sendo que utilizava um field da época de 1999? Quais as tecnologias que existiam na época para que isso acontecesse? Pois é, eu estava jogando contra ele e presenciei o acontecimento e se me questionarem na net eu trago ele aqui que é a prova viva hehehe. E eu fui a vítima disso. Agora, visualize a verdant force:

essa spell era de tempest

Mas essa spell custa 8 manas para ser conjurada e como um tokenzinho do povo iria pôr essa bomba em campo no primeiro turno? Mas agora, repare essa spell:

Já estou dando uma dica mas mesmo assim, essa spell custa 4 de mana e tem que ter uma criatura green em campo para poder usar seu poder. Nada melhor que algo do tipo, land, tap e llanawar elvish.

Sim e agora? fazer forest, tap, mana e llanowar é fácil mas como ter 4 mana para conjurar a natural order? Mas agora, vejam essa spell:

olhem essa spell!

E por incrível que pareça, uma coisa surpreendente aconteceu naquela disputa de plano. Não me lembro se ele foi o primeiro ou tinha o draw mas pouco importava. Foi um fato raro mas digno de viralizar na net. O mundo vai saber disso. Mas assim como ultimamente um planeswalker em algum lugar do Brasil veio com 4 ocos no game, meu amigo iniciado veio com 1 forest, 1 llanowar e 4 elvish spirit guide na mão inicial. E sem dó nem piedade fez verdant no primeiro turno e eu fui a vítima dele.

Se você gostou desse artigo, me segue no feed de notícias logo abaixo e se você não gostou critique porque é com críticas que eu cresço. Desde já agradeço o tempo que você disponibilizou à leitura desse texto. De planeswalker para planeswalker!!!

 

Eu quero o ritual de volta

Na minha época o dark ritual jogava

Eu lembro dos blacks controls antigamente com dark ritual. Antigamente tudo era mais simples e versátil. Eu lembro bem os caras que jogavam de necro por exemplo, nada melhor (ou pior se tivesse jogando contra) do que um swamp, dark ritual e necropotence. Lembro muito bem, eu com meu stomp tendo que enfrentar os caras de necro e as vezes tinha que encarar a necro no primeiro turno com o cara sendo o primeiro a jogar e continuava jogando surrando e sendo surrado.

Lembro também baralhos até um pouco mais antigos que jogavam e que infernizavam os oponentes. Baralhos que também jogavam em torno do dark ritual. Você quer uma coisa mais chata do que enfrentar um planeswalker que abre de swamp, dark ritual e depois hypnotic specter. Imagina isso no primeiro turno? Agora imagina isso no primeiro turno e você jogando com um deck que não remove criatura. Cansei de enfrentar esse tipo de deck e não pedia para sair, surrava e era surrado.

Lembro também baralhos alternativos que de vez em quando tinha gente jogando. Baralho como o black suicede, que era um baralho agroo black da época que se viesse com dark ritual na mão fazia estrago. Nada mais apelado que um swamp, dark ritual, priest of gix, black knight e sarcomency. Que tal 3 criaturas cada uma batendo 2 no primeiro turno?

Eu me lembro muito bem quando eu enfrentava tudo isso e não reclamava da vida ou não achava que magic era cruel. Naquela época os planeswalkers não queriam saber muito se ritual era apelado ou não, simplesmente partiam para cima do oponente e tentavam passar o carro. Cansei de surrar planeswalker com dark ritual no deck e cansei de ser surrado também e não tinha essa de achar que era apelado e por isso “vou parar de jogar”.

Eu já joguei com deck que tinha dark ritual e as vezes me dava bem, as vezes me dava mal. O dark ritual era muito forte e foi banido mas sempre fica um gostinho de enfrentar um deck com essa card num standard da vida ou em um modern. Que nem antigamente quando dark ritual era standard e eu jogava com ele no meu black contamination. E quando jogava com meu stomp, partia para cima do black com ritual também.

Bem que a Wizards poderia promover a volta do dark ritual, ia ser a alegria dos planeswalkers. Eu quero o ritual de volta.

eu joguei com isso e contra isso no standard

Fico por aqui gente de bem, até o próximo artigo! E não se esqueçam de dar like na fã page e de me seguir no instagram. Ajuda o planeswalker brasileiro a disputar planos e conquistar glórias^^.

Luciano (Elfoman)

 

 

Fumigate e olhe lá

Antigamente a vida era mais fácil

Essa marca UW é tradicional no magic. São duas cores que quando combinadas dão muito trabalho. Por falar em UW, existe uma versão no standard e como sempre, tem remoção global. Mas o que mais me chamou atenção é o tipo de remoção global. Antigamente tinha a famosa wrath of god mas hoje em dia o controle tem que se contentar com fumigate.

Antigamente, a wrath resolvia a maioria dos problemas e era um tipo de remoção global rápida, custava só 4 e era standard até uma certa época. Depois, a Wizards decidiu complicar para o controle UW. Acredito que pensaram que WoG era absurda demais e colocaram day of judgment no lugar.

O tempo foi passando e parece que a Wizards passou a perseguir o day of judgment e agora fizeram o fumigate. Essa ideia fez com que o controle jugasse com uma remoção custo 5 ao invés de apenas 4 como era antes com a day of judgment. O fumigate é mais lento e dá pontos de vida (1 para cada criatura destruída) mas mesmo assim nada substituí uma day of judgment.

Na prática, a Wizards vem nirfando a remoção global para melhor adequar ao standard da época ai que veio fumigate. Naquela época tudo era mais fácil, a WoG resolvia tudo. O fumigate destrói mas as criaturas podem ser regeneradas. Diferente da wrath que não deixava regenerar.

Esse é mais um artigo rápido sobre magic, obrigado por ler. De planeswalkers para planeswalker^^

 

Path of exile é para os fracos

Comprei meus 4 path of exile

Sexta-feira na Taverna não foi só mais um dia de FNM. Também consegui comprar 4 paths of exiles para meu deck de discard black com splash para white. E hoje, pensando nos paths, tive uma ideia para escrever esse post. Lembro da época que eu jogava com uma card similar no standard, o sword to plowshares.

jogava contra isso no standard 😛

Naquela época tudo era tão simples e versátil, você quer uma coisa tão simples que um planeswalker remover de jogo sua verdant force? A verdant que você acabou de reanimar com recurring nightmare. Desculpe planeswalkers mas deu essa ideia louca de escrever sobre uma card que não me sai da memória. Lembro que os caras que jogavam de recurring tinham pavor do sword. A verdant ia para nunca mais voltar.

ela nunca mais voltava

 

Sword também lembra o white winning que me recordo enfrentar várias vezes no antigo extended (modern da época). Lembro que quando o planeswalker de white winning deixava uma plain untaped, eu não poderia baixar rancor no meu bicho. Os stompeiros de plantão tremiam o sword que atormentava geral e inclusive a mim.

cansei de ficar com isso na mão por causa do sword

Lembro também que havia um deck red de goblins que fazia land, lacaio no primeiro turno e no segundo, batia com o lacaio e colocava o mutante em jogo. Mas o sword quebrava o deck. Mana lacaio, mana sword no lacaio hehehehe. O sword traumatizava até quem jogava de red. Uma card acabava com o deck.

o mutante ficava na mão hehehe

Lembro também do deck de oath of druids que tinha serra´s avatar. A única criatura que matava do deck era exilada pelo sword. Uma card acabava com o deck inteiro hehehe. O sword dando dor de cabeça no field da época, era muito chato. Não sei porque lembrei disso quando coloquei meus paths no meu deck.

o deck era bom mas o sword acabava com o baralho

Só que mais poder ainda é jogar contra e com isso no standard. E pensar que tudo era simples e versátil. Essa card vai ficar na memória de uma geração que jogou contra ela e outra que jogou com ela. Depois a Wizards lança o path of exile que é uma card boa mas na conjuntura é menos apelada. Naquela época plowshares dava muito trabalho e aterrorizava muitos planeswalkers.

Volta plowshares!!! #SwordStandardAgain

Fico por aqui planeswalkers, até a próxima e não se esqueçam de se inscrever no feed de notícias. Fui!!!

 

Acho que não tem jeito

Até os dias de hoje você pode ver pérolas acontecendo no mundo do magic

O magic gera um ambiente maravilhos não só de competitividade e grana mas também de histórias pra contar e coisas loucas. Fico vendo pessoas iniciantes no magic jogando esse game e interagindo com outros players. Ontem, lá estava eu no meu apto quando vejo um post no grupo de magic de uma coisa que aconteceu numa partida entre dois novatos.

Isso acontece de verdade

Lá estava eu no conforto do meu apto quando fui provocado, olhem o que leio! Estavam jogando em algum lugar desse brasilzão dois caras e que um joga Alta´s reap (Como custo adicional pra jogar altar´s reap, sacrifique uma criatura e o efeito é compre 2 cards). O cara tava contando que o amigo dele jogou essa carta e fez ele sacrificar a criatura dele como se fosse edito diabólico e ainda fez 2 draws.

Imagina, por 2 manas matar um bicho do cara e compra dois card

E as pessoas interagindo foi ótimo

Na mesma hora, quase que instantâneo, muita gente começou a fazer comentários na postagem. Enquanto eu respondi de forma formal e assertiva, teve muita gente mitando nos comentários. O pessoal não teve limites, ri muito durante a madrugada toda.

Ah na minha época

Me lembro que antigamente já na minha época, tinha muita coisa louca acontecendo no mundo do magic. Teve uma tipo, ostracizar tirando o mevlevi. “Você não pode descartar o mevlevi da minha mão, ele é proteção contra o preto”. Teve coisa mais louca ainda tipo, dark ritual e em vez do ritual surtir efeito e ir pro cemitério, ele ficava em campo feito uma permanente e todo turno adicionava 3 na pool.

Tem cada coisa nesse mundo do magic, seja bem vindo ao magic, o mundo que eu amo e não saio mais. Brigado por ler planeswalkers, até a próxima, dá uma força, dá like na fã page. Abraço!

Por que não volta o estase e kismet também xD?

Eu tinha acabado de voltar da Cards of Paradise, tava cansado depois de encarar um trem cheio. Mas logo vi o link do canal diário do planinauta e me animei em ler a chamada da live. O Thiago ia falar das cards blue e white de dominária, preparação para o pre-realease. Será uma bateria de lives falando de todas as cartas e eu não podia deixar de participar. Mas voltando ao assunto central, durante a live, eu vi uma card reeditada e me lembrei de um deck das antigas.

Um pouco sobre white

O que imaginar da cor white? Pra quem não sabe muito de simbologia das cores no MTG, white significa várias coisas como divindade, coisas sagradas, deus, anjos, proteção, cavaleiro e muito mais. No meio disso tudo, me chamou a atenção uma criatura branca custo 1, 2/1, salvo engano um cavaleiro pra variar (e ainda tem outro poder que não me lembro direito). Acreditem planeswalkers, no standard vamos ter outra criatura que bate 2 na curva 1. Isso me faz recordar do Savannah Lions.

Na minha época isso batia muito e achávamos um abuso de autoridade da Wizard. Hoje em dia parece normal olha que coisa?

Olha quem voltou?

Mas o que mais me chamou a atenção foi outra carta que hoje em dia não é mais apelada por seu brilho ser ocultado por outras mais fortes da mesma categoria. Acreditem, a Wizard voltou com o Serra angel. O Serra Angel me faz lembrar de histórias da década de 90, de primórdios do magic, época que não existia shield e nem muito menos playmat. 😛

Naquela época tinham rivalidades entre as cores e isso encarnava nas criaturas, de um lado o Shivan Dragon e de outro o Serra Angel. O Serra e o Shivan faziam parte até de um duel deck que eu comprei futuramente em tempest (1998).

Mas com essa reeditada do Serra Angel, me faz lembrar de um deck que antecede até minha época. Um deck que era consagrado e trazia uma marca conhecida até os dias atuais, eu falo de um UW. Tinha o Serra Angel pra finalizar e locava o oponente com kismet e estase.

Pra quem não viveu isso, o kismet é um encantamento branco que custa 4 e a arte era bem peculiar. Coisa de magic das antigas, olhem só:

Pra recordar, o estase é essa card:

E pra finalizar o oponente o anjo amado:

O deck era um terror e colocava medo em muitos planeswalkers. Repare que a combinação UW funciona perfeitamente com as 3 cards. Não sei o porquê? Mas essa reeditada do Serra Angel me fez lembrar desse deck que encantou muita gente e fez mais gente ainda sofrer. 😛

Por que não reeditar o estase e o kismet?

Já que reeditou o Serra Angel, bem que poderia reviver esse deck reeditando o kismet e o estase. Talvez não seja da estratégia da Wizard, nossa mandatária do magic, mas muitos planeswalkers das antigas gostariam de ver esse lock em ação de novo. Não precisa da force e nem do sword mas um Serra pede um estase que pede um kismet 🙂

Por hoje é só planeswalkers, quem puder dar uma força pro canal é só se inscrever no meu feed de notícias e dar like na minha fã page no facebook, elfoman. Até a próxima e obrigado por ler.