Blog

Adeus orcs

Os orcs foram “pro” beleleu

O clã saiu de Norton e adentrou a planície de Nevada para resgatar os gnomos que haviam sido sequestrados pelos orcs malvados. Depois de 1 dias de caminhada e cansados eis que Akarth avista o acampamento dos orcs e provavelmente onde estão os gnomos presos.

O clã se mantem a uma distância de segurança do acampamento enquanto observa detalhes de longe. O acampamento é feito de 1 barraca grande, 2 barracas pequenas e 2 árvores cada uma com uma casa suspensa nela sustentando 1 orc arqueiro. Além disso, encostado na barraca grande, tinha um sino e ao lado um orc com uma full plate sentado numa cadeira.

O clã se dividiu em 2 para uma parte dele chamar a atenção dos orcs e a outra fazer a invasão e resgatar os gnomos. O lado que chamou a atenção (Akarh e Aukan) gritou e fez gestos e na volta o orc com a full plate toca o sino. Os orcs arqueiros disparam contra os dois, uma flechada em cada um acertando cada e ferindo Aukan gravimente.

A outra parte do clã (kavynir, Arok e Abgayl, Nicolas, Antônio e Zeferus) invadem pelo outro lado e decidem entrar na barraca grande. Olhando pela entrada da barraca grande eles observam um grupo de 8 orcs lá dentro pegando em machados.

Arok, rapidamente joga uma poção alquímica dentro da barraca e ateia fogo em vários orcs. Kavynir mata o último restante com uma flechada.

Enquanto isso do outro lado, Akarh dá uma investida montada portando sua lança e perfura o peito do orc de full plate. Aukan pega uma javalin e arremessa em um orc arqueiro mas o projétil acerta na árvore e não no orc.

Do lado de Kavynir, Arok dispara contra um orc arqueiro acertando ele na cabeça e levando ele a óbito enquanto Kavynir atira contra o outro acertando também e derrubando ele da casa na árvore.

Depois de matar todos os orcs, o clã vasculha todas as barracas e encontra tesouros e os 3 gnomos vivos, é hora de voltar para a cidade e ganhar prestígio.

Essa foi a síntese do final da sessão mestrada por mim, forte abraço jogadores. Não esqueçam de compartilhar esse conteúdo e me seguir no feed de notícias.

Participantes:

Akarh orc bárbaro

Kavynir elfo bárbaro

Aukan goliath guerreiro

Arok orc bárbaro

Aasimar clériga

Nícoloas humano clérigo (npc)

Antônio humano guerreiro (npc)

Zeferus ladino elfo (npc)

Que tal uma mexidinha no affinity pauper?

Que tal uma mexidinha no affinity pauper?

Toda segunda-feira tem evento pauper na Taverna e sempre quando posso vou jogar. Para quem não sabe, eu jogo de affinity com uma build alternativa, uma build pessoal minha só para o deck ficar mais divertido. Detesto decks pesados.

Essa build vem sendo testada faz 2 semanas e consegui resultados incríveis jogando na Taverna. O deck está muito mais rápido e consegue fazer 3 x 1 de vez em quando mas no geral faço 2 x 2. Mas o que mais me chamou atenção nessa build alternativa foi uma criatura chamada eskirge da câmara. Foto dela abaixo:

Sabe como é que é né? No mundo prático ela é uma criatura custo 1 que voa e tem lifelink e combinado com o bonesplitter fica mais forte ainda. Muito advanced contra deck de bichos que vem numa race braba.

Eu tinha testado a build com 4 arcbound worker e 4 eskirge e o deck ficou muito leve mas perdia em força. Depois testei com 4 arcbound worker e 2 eskirge e o deck testava ganhando de agroo. Mas agora eu removi os 4 worker e coloquei 4 eskirge e no próximo torneio vou analisar como ficou.

Acho que vou lançar a campanha: “Por um affinity mais leve” porque a outra build inicial estava muito pesada, estava lenta de mais. Esse affinity eu comprei de um amigo lá na Taverna e no primeiro torneio que joguei percebi que o deck estava pesado. Era a build muito parecida com a do affinity do mtggoldfish. Detesto decks pesados xD.

Bom pessoal, vou testando e analisando e postando aqui os resultados^^ Até a próxima e não se esqueça de curtir para dar força ao canal^^

Vampiros ao ataque!!!

Vai vampiros, ataquem!!!

O formato modern é muito bom e vários planeswalkers jogam ele. Eu, particularmente, adoro esse formato e venho aprendendo muito com o passar do tempo jogando lá na Taverna. No último torneio eu enfrentei um mirror logo na primeira rodada e me dei mal. Mas ta tranquilo, “to em casa” junto com a galera. O importante é se divertir e nada melhor do que jogar um modern.

Pra quem não sabe, meu deck modern era o the rack splashado para o branco pra usar path to exile e usar cards do sideboard como rest in peace. Eu experimentei esse tipo de deck durante vários torneios e dei upgrade no baralho várias vezes e só achava divertido quando tinha a wast not na mesa colocando fichas de zumbis. De resto não achava o deck divertido.

Agora decidi mudar, vou inovar o deck e acredito que com o meu novo modern, a jogabilidade do baralho vai ficar melhor e o deck vai ser mais divertido. Vou continuar com BW só que com uma modificação profunda. Em vez de fazer o oponente ficar sem mão e matar com the rack, vou de vampiros agora.

Já encomendei as cards na loja magic bem barato e devem chegar mês que vem e enquanto isso vou jogando com esse mesmo baralho. Quando as cards chegarem, vou editar meu deck e passar a matar de vampiros e usar o sorin, lord of innistrad. Agora sim o deck vai ficar divertido pra mim e para o meu oponente.

vou usar essa belezinha no deck

Foi mais um artigo do planeswalker brasileiro, pessoal!!! Não esqueçam de curtir e compartilhar e se inscrevam no meu feed. Ajudem o canal a crescer^^.

Eita cartinha boa

Fragmentalizar é “a card”

Olá gente de bem, meus amados planeswalkers. O elfoman aqui adora jogar de BW discard no modern e como tem o white no meio dá pra usar recursos dessa cor maravilhosa.

Eu estava jogando com meu BW e enfrentando esse field malvado e testando várias cards. Até que uma card em especial me chamou atenção. O nome da carta é fragmentalizar.

card poderosa

Repare que essa carta é muito mais rápida que o desencantar que custa 2 e sabemos que pra ter 2 manas tem que estar no turno 2 além de, caso precise conjurar 2 mágicas, fica mais difícil ainda a missão. Um turno faz a diferença e uma mana a mais tbm.

Quanto ao field que eu enfrento, ela remove tudo, remove carta do tron, remove cartas do hardened scales. Ela é ótima contra mirror enfrentando the rack discard. Além de remover a blood moon e vários artefatinhos periféricos e encantamentos tbm. E o melhor, remove a leyline branca que é meu pesadelo.

Essa carta tbm é barata na grana. É comum, comprei por centavos cada e tem uma eficácia muito excelente. Card maravilhosa, acho melhor que desencantar contra o meta. Mais rápida, remove quase tudo e cast na 1 se precisar.

Bom planeswalkers, esse foi só um comentário, estou muito animado com o magic que está cada vez melhor. Até a próxima e não esqueça de comentar e curtir e se puder, siga meu feed.

Adeus pre release

Perdi a vaga para o pre release

Segunda agora teve pauper na taverna e fui jogar. Era um pauper especial que valia vaga para o pre release de lealdade em ravnica. Deu muita gente, foram vários planeswalkers querendo a vaga para o pre. Foram ao todo 14 jogadores disputando 2 vagas para o pre release.

Como sempre lá estava eu com meu affinity pronto para jogar. Eu sei que preciso variar de deck mas por enquanto não da pra comprar outro e por isso vou do mesmo deck. O Bruno estava jogando e queria jogar contra ele pra tentar tirar a diferença de vitórias dele encima de mim.

O torneio foi bem legal, deu pra socializar com a galera mas infelizmente não consegui a vaga para o pre release. Eu fiz 2 x 2 e fiquei em sexto lugar e portanto não consegui me qualificar.

Esse foi mais um dia do meu diário compartilhado pessoal, brigado por ler e até a próxima.

Um dia eu consigo

Um dia eu consigo

No último pauper que joguei lá na taverna eu enfrentei logo o Bruno no primeiro round. E adivinhe? Perdi pra ele de novo por 0 x 2 e isso só confirma que eu sou freguês dele kkkk. Já são quatro partidas e nunca venci esse cara. Ele é o melhor jogador de pauper na taverna e acho que do Rio de Janeiro também.

Hoje vou voltar a taverna pra jogar pauper e quem sabe enfrenta-lo e talvez chegar a vitória mas o caminho é árduo. Ele vem de MBC ou rakdos e o deck dele simplesmente é excelente. Não é à toa que ele é o melhor da localidade.

No último pauper eu enfrentei o Bruno na primeira rodada e perdi. Depois disso fiz 3 x 1 vencendo até de goblin com meu affinity. Fiz modificações no meu deck e vou mudar o meta game e jogar em volta do atog.

Deixei esse recado no diário hoje, dia 14 de janeiro de 2019. Obrigado por ler, até a próxima.

Ladino safado, merece cadeia

À caça do ladino

Estavam na taverna os integrantes da equipe de busca recém formada se divertindo. Hellen decide anunciar alto e com bom som seu desafio. “Desafio alguém para uma queda de braço” e logo apareceu um anão parrudo para a disputa. O anão chamou Hellen para sentar em frente a ele e disse que só jogaria apostando, Hellen aceitou e apostaram 50 moedas de ouro. Foi uma disputa árdua, acredito que só porque estava enfrentando uma mulher, ele achou que seria fácil mas muito pelo contrário, Hellen ganhou a disputa e levou as 50 moedas dele.

(Antes de continuarmos, só peço que se inscrevam no meu feed de notícias logo abaixo e compartilhem esse conteúdo nas redes sociais. Brigado)

Click aqui e se inscreva

A taverna estava animada mas Galadril quis mesmo é falar com o barman e colher informação para a equipe. Galadril não queria se divertir e sim trabalhar para ganhar grana, afinal ele precisa pagar contas. O barman é humano e aparenta ter 40 anos, estava fazendo uma birita para algum cliente até que chega Galadril e pergunta sobre algo a se fazer. O barman fala sobre um tal senhor das trevas, o inimigo da humanidade. O barman não tinha muita informação mas fala para Galadril se informar com o delegado Rodolfo na delegacia.

Os integrantes da equipe beberam muito e degustaram da melhor comida da taverna além de escutar uma boa música ao som do bardo Rafael. Mas como alegria dura pouco, foi batendo o sono e decidiram ir dormir, isso eram 2 da madrugada. Foram dormir numa estalagem ali perto e tiveram uma ótima noite de sono. Pela manhã, ele sentam à mesa e tomam café da manhã e logo depois partem para a delegacia.

Na delegacia Galadril fala com o delegado Rodolfo a respeito do senhor das trevas mas o delegado não tem muita informação, só sabe que o reagente que prende o senhor das trevas foi furtado e o mundo corre perigo. Aproveitando o encontro, o delegado oferece três missões para a equipe para eles escolherem uma. A missão escolhida foi: À caça do ladino Anderson. É um ladino que está aprontando na cidade e se escondeu em uma masmorra e precisa ser preso para pagar pelos crimes que cometeu.

Tinha um pequeno porém, a masmorra fica em terras selvagens e não sabem o lugar exata e o pior, o delegado também não sabe mas ele indicou o ranger Daniel que poderá ajudar a equipe nessa empreitada. A party se despede do delegado e vai em direção à casa de Daniel no endereço indicado pelo delegado. A casa fica num bairro pobre da cidade e chegando lá se deparam com um terreno grande e ao centro uma casa humilde. Na varanda estava um elfo sentado numa cadeira de balanço com um criança élfica de 5 anos no colo.

A equipe se aproxima do elfo e conversando, descobre que ele é o Daniel e aquele garotinho é o filho dele. Eles fecham um contrato com Daniel, prometem pagar 120 moedas de ouro em troca do guia e de ajuda no combate. O elfo pergunta quando vão e eles dizem agora! Daniel entra em casa para se arrumar e se despede da mulher. Já com roupas de aventura, sai de casa e acompanha a equipe.

Daniel sabe que a masmorra fica na planície de nevada indo para o sul, perto de Bonevur e para ir para lá tem que passar pela zona agrícola da cidade de Norton, passar pela guarita e pegar e estrada sentido Bonevur. Antes de chegar em Bonevur, o ranger diz que a equipe tem que entrar na planície bem em ambiente selvagem e essas foram as instruções.

Começa a jornada, pegam a estrada e caminham por algumas horas até se depararem com uma caravana com vária carruagens e alguns seguranças escoltando. Atilos tem um ideia, ele para um segurança e pergunta se está tudo bem. O segurança diz que goblins espreitam a estrada a frente para praticar assalto e só não assaltaram a caravana porque tem seguranças e são muitos. A equipe agradece a informação que é preciosa.

A equipe então, mediante essa informação, decide manter 2 integrantes na frente e o resto espreitando. Akarh e Hellen vão na frente e o resto vai escondido dentro da planície. Akarh e Hellen e toda a equipe escutam o bater de tambor e eis que saem 8 goblins dos seus esconderijos e cercam os 2 integrantes da equipe. Um goblins anuncia o assalto enquanto todos os 8 apontam bestas para os 2.

Akarh e Hellen reagem ao assalto junto com os outros integrantes e lutam contra os goblins. Akarh bem que tenta dar uma investida em um mas o goblins desvia para o lado e ele passa direto. Hellen tenta acertar um e desfere um golpe mas o goblins cisca para o lado e Hellen bate com a arma no chão. O ranger Daniel saca seu arco longo e atira acertando um goblins letalmente na cabeça. Atilos também atira e acerta um goblin no pescoço levando ele a óbito. Melkor, o mago lança sono e coloca 5 goblins para dormir. O último goblins, vendo seus amigos sendo derrotados, decide fugir mas leva uma flechada pelas costas de Aeron.

Esse combate chegou a dar susto porque eram 8 goblins mas a equipe conseguiu lidar muito bem com eles e mesmo reagindo ao assalto, conseguiu resistir, todos os goblins foram mortos mesmo Hellen reclamando muito. Hellen queria poupar a vida dessa criaturas por mais que fossem malignas. Daniel convoca a equipe para continuar no caminho e todos foram.

Depois de caminhar mais alguns quilômetros, chega o local de saída da estrada e começam a adentrar na planície. Eles caminham por 1 horas até avistarem um acampamento que tem 1 barraca grande cercada por 4 esqueletos protegendo a barraca. Pensando que é alguma coisa maligna, a equipe investe contra os esqueletos mas basta apenas a pronúncia de sábias palavras e a imposição do símbolo sagrado que Atilos para destruir os 4 esqueletos com seu expulsar mortos vivos.

Depois de acabar com a resistência, a equipe entra no acampamento e começa a vasculhar por informação. O ranger Daniel diz que tem 2 humanoides que saíram dessa acampamento e provavelmente vão voltar. Os integrantes estavam bem conversando e debatendo sobre o que iriam fazer quando o Daniel alerta a todos, “escuto barulho de armadura batendo”. A equipe olha para o lado e observa um orc dando uma investida contra a equipe e outro orc atrás conjurando uma magia.

Melkor, rapidamente conjura mísseis mágicos no orc conjurador e acerta e derruba ele. Daniel puxa seu arco e atira contra o orc guerreiro e acerta a barriga mas ele continua em pé investindo. Aeron atira contra o orc e acerta na cabeça levando o orc ao chão e encerrando um combate mortal. Os orcs estavam desmaiados morrendo mas a equipe aprisiona e cura eles para interrogar e obter informação. O orc mago disse a equipe que estava atrás do reagente e estavam ali para fazer um ritual para pedir informação a Gruumsh e saber onde está a peça e o acampamento é deles. A equipe chega ao consenso que eles não são uma ameaça e liberam os dois.

Galadril pede que continuem a jornada pois já está ficando tarde. A equipe segue seu caminho por algumas horas eis que cai o anoitecer e eles decidem acampar para descansar e recuperar as energias. No dia seguinte, tomam café da manhã e voltam a trilhar rumo à masmorra.

O ranger diz que “a entrada da masmorra fica por aqui e vão encontrar breve”. A equipe percebe uma casinha sem janela e só com uma porta. Daniel diz que “esse lugar é suspeito e a entrada da masmorra pode ser aqui”. Checam a porta e ela está trancada mas Hellen pega o pé de cabra, mete na porta e força a arrombando. Revelasse o interior da casinha com uma mesa no canto e encima um candelabro iluminando a sala magicamente. Ao centro um alçapão trancado por uma tampa de madeira e ao lado uma alavanca.

Atilos decide investigar o candelabro e o levanta revelando um papel embaixo dele. No papel está escrito “3 silvos”. Galadril decide puxar a alavanca 3 vezes seguidas e a tampa do alçapão abre e sai uma pessoa de lá se apresentando como Helker. Em um papo não descontraído, Atilo diz que eles estão ali para prender o ladino Anderson e Helker tenta fugir mas é impedido.

Eles interrogam o Helker e ele diz que é um ladino que trabalha para Anderson e seu patrão está ali dentro da masmorra na última sala e concorda em cooperar desde que seja solto no final e não vá preso.

Helker então vai guiando a equipe pela masmorra até avistarem uma porta. Ele diz que ali é o dormitório e tem orcs dormindo ou não ali dentro. Galadril abre a porta devagar e Melkor lança sono dentro do dormitório fazendo com que dois orcs que estavam jogando baralho e mais dois orcs que estavam na cama sejam postos a dormir. A equipe passa a lâmina nos 4 orcs que estavam ali.

Continuando, avistam outra porta e Helker diz que é o refeitório. O ranger Daniel abre a porta devagar e avista dois orcs comendo lá dentro e fala para a equipe. O plano é o seguinte, Atilos abre a porta rapidamente e Daniel e Aeron entram rápido e atiram nos orcs. Executam o plano e deu tudo certo, 2 flechas e dois orcs no chão.

Eles continuam no corredor e avistam outra portal. Helker diz que essa é a sala do tesouro da masmorra e está trancada e com armadilhas dentro mas ele destranca com seu kit de ferramentas e sabe evitar as armadilhas. O ladino abre a porta que revela um corredor, Helker diz pra terem cuidado e ele vai guiar a todos. Ele então guia a equipe pelo corredor evitando 3 armadilhas e chegam até uma sala com 4 baús. Helker diz: “aqui está todo o tesouro”. Foram nada mais nada menos que 1000 peças de ouro e 10000 de prata além de 4 gemas.

Depois de terem ficado muito feliz com a riqueza encontrada, eles voltam para o corredor central e continuam andando até chegar na última porta, a porta do Anderson. Helker diz que guiou todos com segurança até ali e fez sua parte e pediu que liberassem ele. A equipe liberou mas pediu o contato dele para contratar seus serviços futuramente.

A porta estava destrancada e segue o plano, Galadril abre a porta rapidamente e Atilos lança uma magia para imobilizar Anderson que estava sentando numa cadeira escrevendo em seu diário. Com Anderson enfeitiçado, eles colocam algemas nele.

Com o ladino safado preso, a equipe volta para a cidade e o conduz até a delegacia. Entrega o preso e pega a recompensa além de ter ficado com o tesouro da masmorra. Eita vida boa essa de aventureiro.

Brigado por ler esse artigo de uma síntese da aventura que ocorreu domingo agora.

Que doble top deck hein

Que double top deck hein

Terça-feira dia 18 teve modern na Taverna e fui jogar com meu BW the rack. Reencontrei a turma do modern depois de muito tempo afastado. Lá estava ele, o Lucas com seu deck de merfolk e o Duani com seu UW. Estava o Vitor recém no modern porque ele só jogava pauper. Foi mais um dia feliz com a galera.

O que me chamou a atenção nesse torneio foi um game contra um camarada que jogava de hardened scales. O primeiro game ele ganhou, não veio rápido mas ziquei mana também e ele acabou ganhando muito fácil. O que me chamou a atenção foi no segundo game. Eu descartei a mão dele toda e depois baixei 2 the rack em campo. Na upkeep dele ele leva 6 e na draw fase ele me topdeca a nature´s claim (menos 1 the rack mas pelo menos tenho outro em campo) No meu turno de volta eu comprei discard mas ele estava sem mão. Passei pra ele e na upkeep dele ele leva 3 e na draw fase topdeca outra nature´s claim.

Depois desses 2 top decks maravilhosos dele, ele só topdecou bicho, encheu a board de criaturas e começou a me bater. Me deu tanta porrada que ganhou a game e numa conversa bem descontraída a respeito da jogada que já na partida rendeu risos ele me solta: “eram minhas únicas 2 nature´s claim no deck com sideboard”

Depois de ouvir isso rimos mais e no fundo no fundo adorei o game 2 que mostra que o jogo magic the gathering tem virada de jogo por mais que esteja tudo perdido. Ele, com o deck dele virou uma partida que muitos iam julgar perdida e lá vai mais uma máxima do mundo do magic, nunca desista antes do fim.

Se você gostou desse artigo deixe seu like, compartilha no facebook, se inscreve no feed e curta minha fã page no facebook.^^ Brigado planeswalkers, valeu!!!

Vai pra cima deles, merfolks! Não desistam!

Pra cima deles, merfolks!

Como eu tinha dito no artigo passado (click aqui), a edição Guildas de Ravnica não trouxe nada de novo para o deck de merfolks. E quem gosta da cor green e blue ainda mais deck agroo com merfolks vai ter que esperar a próxima edição onde virá simic com a guilda verde e azul e tomara que venha tritões.

Como eu havia dito, pesquisei no mtggoldfish e não vi ninguém no meta jogando de merfolks. Nada de lista, ninguém se aventurando por ai com essa guilda. Acho que eu e mais alguns brazucas fomos corajosos em manter o deck de tritão para essa parte da temporada onde nossa guilda não foi priorizada. Pois bem, sexta-feira teve standard na taverna e fui jogar com meu deck de merfolks mesmo contrariando o status quo.

Quando o torneio acabou, percebi que o deck de tritão não é tão fraco assim, não fiz 3 x 0 por pouco mas fiz 2 x 1. Enfrentei um izzet drakes e ganhei, enfrentei um deck fora do meta WBU e perdi de 2 x 1 e no último round enfrentei um jeskai control e ganhei de 2 x 0. Não senti muita dificuldade mas teve 1 game contra o WBU que ziquei mana green feio por erro de building do deck, tenho que tirar 2 islands e colocar 2 forests.

No final do torneio não deu pra beliscar premiação porque fiquei em 4° lugar mas valeu a diversão de jogar com um deck tão maravilhoso com minhas cores prediletas. Além é claro que rever a galera e ajudar minha loja marcando presença.

Não desistam dos seus sonhos, por mais que seja jogar com deck fora do meta xD. Até a próxima planeswalkers!!! Não se esqueça de compartilhar esse conteúdo nas redes sócias e dar um like.

 

Frogmite no primeiro turno? Pode isso?

Frogmite no primeiro turno? Pode isso?

Segunda-feira passada (dia 10 de dezembro) teve pauper na taverna e como eu tinha prometido, fui jogar. Mas, antes disso, eu tinha que dar um trato especial ao meu affinity que estava empoeirado dentro do armário. Eu me lembro que eu tinha encomendado umas cartinhas especiais para colocar no meu affinity.

Acabou que a lista do meu affinity ficou bem diferente da lista do mtggoldfish mas tinha uma certeza, o deck ficaria muito mais ágil e talvez eficiente contra mono-black control que vivia me assolando. A diferença bem dizer implicava em ter menos mágicas de cor e mais artefatos. Artefatos custo baratinho para agilizar o deck contra meus oponentes.

Eu coloquei 4 bonesplitter e 4 ornitóptero além de 4 arcbound worker. Isso para o deck ficar rapidinho tipo flash super-herói. Pois bem, com o deck modificado, fui jogar na Taverna contra os meus camaradas.

Para fazer uma síntese, eu enfrentei 1 boros, 2 mono black control e 1 goblins. Venci os 2 mono blacks, venci o goblins e só perdi para o boros e mesmo assim porque o deck dele estava modificado (tinha um bicho proteção contra monocolor e ele baixou 2 no game 1).

O detalhe maior foi que várias vezes durante o torneio eu conseguia fazer land artefato, ornitóptero, springleaf drum. Dava tap no drum e no ornitóptero e baixava o frogmite isso no turno 1. Dois bichos no turno 1 e quando vinha o bonesplitter batia mais ainda. Não senti falta de metallic rebuke e nem de temur e muito menos da prophetic prism.

Acho que ninguém estava esperando frogmite no primeiro turno vindo de um affinity nesse torneio, só eu que sou o dono do baralho. Mas só em ganhar de mono black já está de bom tamanho.

O resultado final foi um 3 x 1 e um quarto lugar por causa do meu oponente match baixo. Não ganhei premiação mas valeu a diversão e sentir o gostinho de bater 4 no turno 2 com um affinity.

Valeu pessoal, compartilha esse conteúdo e dá um like e segue minha fã page no facebook elfoman. Qualquer força para o canal é bem-vinda. Brigado até mais!